Desmistificar a CANNABIS, um desafio!

Desmistificar a CANNABIS, um desafio!

Os derivados da Cannabis Sativa L. ganharam espaço e discussão no meio acadêmico. As pesquisas correm em paralelo ao sucesso da planta para validar o que muitos prometem. As capas de revistas cedem espaço e vozes dos mais diversos segmentos defendem o seu uso medicinal. .

Dessa planta polivalente, da qual se aproveita desde a semente, podem ser extraídas cerca de 400 substâncias químicas, dentre elas, o tetrahidrocanabinol (THC), que é o principal responsável pelos seus efeitos psicoativos, mas também, poderoso ativo que quando combinado ao canabidiol (CBD) traz importantes manifestações terapêuticas aos pacientes que fazem seu uso.

Os efeitos da cannabis no corpo humano difere de indivíduo para indivíduo e diversos fatores podem interferir no resultado, como quantidade, qualidade, modo de uso, etc. Sabendo disso, aqui no Brasil, os médicos já procuram receitar ativos derivados de plantas fornecidas por produtores qualificados, certificados. A procedência tem total incidência sobre os resultados.

Qual é o grande desafio para esse mercado que agora explode no Brasil? A resposta foi dada no parágrafo anterior quando mencionei a palavra chave do negócio: PROCEDÊNCIA. De nada adianta se aventurar a oferecer produtos de baixa qualidade. A terapia com os derivados da cannabis retorna excelentes resultados aos pacientes quando estes usam óleos de qualidade. Os resultados estão aí para quem quiser pesquisar. São muitos os médicos que receitam os derivados da cannabis e estão felizes com os retornos dos pacientes. Vidas são transformadas. Muitos pacientes se beneficiam hoje de bons tratamentos com os ativos. E, inversamente, deixa a desejar quando o produto é de procedência duvidosa.

Com a nova RDC nº 327 da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), os produtos de cannabis estarão na farmácia. Essa importante conquista da sociedade ajudará a diminuir essa angústia dos profissionais de saúde em receitar algo não palpável, sem verificação. Milhões de pacientes começarão a usar esses produtos. Em pouco tempo teremos no mercado brasileiro estabelecidas as boas marcas, os bons fornecedores.

Com mais gente procurando a terapia com os derivados da cannabis, mais pesquisa surgindo no meio acadêmico, com aprimoramento genético dos países produtores (e rastreabilidade de procedência), é questão de tempo para essa mística negativa que ainda paira sobre a planta desaparecer.

Ricardo Fernandes, é jornalista e CCO da CBD Vida